O primeiro desafio que você vai encontrar ao planejar sua viagem para Bali é conseguir pronunciar os nomes ~ corretamente ~ dos locais (tente repetir o nome do post, por exemplo); o segundo, é conseguir encaixar em apenas uma encarnação tudo que quer ver na ilha. São centenas de atrações, como arrozais, templos, praias, parques e a própria vida cotidiana do povo balinês, que não deixa de ser muito interessante de ser observada.

Porém, algo que não pode faltar de jeito nenhum no seu roteiro é um arrozal, paisagem típica da ilha indonésia, retratada em filmes, livros e muito mais que uma simples atração turística, retrata bem sobre o modo de vida e a economia local. Na imagem abaixo, retirada do site Uol, vemos cenas do filme “Comer, Rezar, Amar”, protagonizado por Julia Roberts. Entre as 3 fotos, 2 são em arrozais de Bali, comprovando o quanto essa paisagem faz parte do dia a dia da ilha.

Durante a nossa estada em Bali, visitamos 2 arrozais grandes: Catur Angga Batukaru e Tegallalang, ambos do tipo “Subak”. Além disso, o nosso hotel em Bali ficava ao lado de um arrozal e durante as muitas viagens de carro que fizemos pela ilha, vimos centenas de outros arrozais, nos mais diferentes “estágios” de desenvolvimento do grão. Neste artigo, vou falar sobre os arrozais maiores e quais foram as impressões que tivemos em nossa visita.

Subak

Não podemos falar dos arrozais de Bali sem antes explicar o que é Subak. Esse é um sistema de irrigação para campos alagados na ilha de Bali, que foi desenvolvido há mais de 1.000 anos. Subak, para os balineses, não é apenas um sistema de irrigação, mas também o conceito de vida para o povo de Bali em si. Para o povo balinês, Subak é uma visão direta da filosofia de Tri Hita Karana (já explicada no artigo da Floresta dos Macacos).

A palavra “Subak” refere-se a uma instituição social e religiosa única, que tem suas próprias configurações, onde as associações democráticas dos agricultores determinam o uso da água de irrigação para o cultivo de arroz.

Os componentes de Subak incluem as florestas que protegem o abastecimento de água; as paisagens dos campos de arroz em terraços, que estão conectados por um sistema de canais; túneis e barragens; aldeias; templos de vários tamanhos, indicando a importância dos recursos hídricos ou a água que flui através do templo para os sistemas de irrigação.

Subak de Catur Angga Batukaru. Foto: arquivo pessoal

Podemos ver que os arrozais são assunto sério em Bali e devem ser admirados pela sua beleza cênica tanto quanto pela importância cultural, social e religiosa que possuem para o povo do lugar.

Catur Angga Batukaru

Considerado Patrimônio Cultural Mundial pela UNESCO, por “ser um sistema democrático e igualitário de prática de cultivo criado pelos balineses a fim de tornar mais prolífico o cultivo de arroz no arquipélago desafiando a grande densidade populacional da região”, os sistemas Subak de Catur Angga Batukaru cobrem uma área de 19,500 ha.

Fomos levados até o local pelo nosso motorista (esse arrozal específico não estava nos nossos planos), durante uma nublada manhã de junho. Logo de cara, ficamos surpresos pelo tamanho do lugar: é muito grande! Dizendo o nosso motorista, é o maior de Bali, mas infelizmente não encontrei informação que confirmasse isso, ou negasse.

Almoçamos em um dos vários restaurantes que têm vista para o arrozal. Confesso que não foi uma refeição muito feliz (foi no estilo “buffet”, onde pagávamos um valor fixo e poderíamos comer à vontade, mas não havia muitas opções vegetarianas e a comida não era muito boa. Paciência). Depois do almoço, fomos caminhar pelo arrozal, juntamente com uma multidão de turistas, mas logo a chuva nos pegou e tivemos que interromper o nosso passeio. A combinação chuva + blusa branca + terreno lamacento não eram muito convidativos.

Terraços de arroz de Catur Angga Batukaru em Bali. Foto: arquivo pessoal

Terraços de arroz de Catur Angga Batukaru em Bali. Foto: arquivo pessoal

Terraços de arroz de Catur Angga Batukaru em Bali. Foto: arquivo pessoal

Terraços de arroz de Catur Angga Batukaru em Bali. Foto: arquivo pessoal

Terraços de arroz de Catur Angga Batukaru em Bali. Foto: arquivo pessoal

Terraços de arroz de Catur Angga Batukaru em Bali. Foto: arquivo pessoal

Terraços de arroz de Catur Angga Batukaru em Bali. Foto: arquivo pessoal

Terraços de arroz de Catur Angga Batukaru em Bali. Foto: arquivo pessoal

Como o lugar é IMENSO, há várias “trilhas” onde as pessoas podem caminhar pelo arrozal. Algumas duram horas e certamente exigem algum preparo físico, pois o terreno não é nada plano. Mesmo não tendo feito nenhuma trilha específica, achamos que valeu a visita, pois é um cenário bem diferente do que estamos habituados e o clima do lugar era fantástico.

Tegallalang

Tegallalang é o arrozal mais famoso de Bali – e talvez o mais cênico também. O seu tamanho nem se compara ao de Catur Angga Batukaru, mas a visita vale muito a pena porque a vista é absolutamente fantástica! Ele está localizado a meia hora de carro de Ubud, o que o torna mais interessante para os turistas que têm pouco tempo na ilha.

Visitamos esse campo de arroz depois de um almoço inesquecível (ao contrário do outro, ainda bem!) de frente para ele, em um restaurante bem escondidinho que o nosso motorista nos levou. Foi o melhor arroz frito que já comi na vida!!!

Pedi o nasi goreng (arroz frito), prato típico da Indonésia. Ele veio enrolado na folha de bananeira, com 2 espetinhos à parte de atum grelhado e crackers. Foto: arquivo pessoal

Estou com vontade de comer a tela neste momento. MELHOR arroz frito que já comi na vida! Foto: arquivo pessoal

O prato do marido veio todo colorido e, segundo ele, não estava ruim, mas o meu estava bem melhor – e se eu deixo, ele come todo o meu também. Foto: arquivo pessoal

O nome do restaurante é Boni Bali, e aqui está o link do TripAdvisor e do Facebook. Anotem essa dica! Juro, é maravilhoso… Só de lembrar já fico morrendo de vontade! Além de a comida ter sido fabulosa, o atendimento também era ótimo e a vista era divina.

Vista do restaurante Boni Bali. Foto: arquivo pessoal

No restaurante Boni Bali. Foto: arquivo pessoal

Depois do almoço, fomos visitar o famoso campo de arroz, que também não nos decepcionou. Apesar de estar bem cheio de turistas, e também de crianças pedintes (uma tristeza), pudemos passar um tempo ali admirando a paisagem, que parece ter sido pintada à mão pelo Criador. Ao contrário do outro campo de arroz, nesse não caminhamos entre a plantação, pois ainda teríamos que ir a outras atrações e o tempo não nos permitia. Mesmo assim, valeu – e muito – ter ido lá. E não menos importante, ter comido lá também 😉

terraço de arroz bali

Em Tegallalang, o campo de arroz em Bali. Foto: arquivo pessoal

arrozais de bali

Cênico Tegallalang. Foto: arquivo pessoal

E esses foram os arrozais que visitamos em Bali! Achei que, pelo tempo que tínhamos na ilha, conseguimos aproveitar bem esse tipo de atração. Se tivesse mais tempo – ou se voltar algum dia, queria fazer as trilhas pelos arrozais e passar um dia inteiro lá. Acho que deve ser uma experiência fantástica!

Para acompanhar os outros posts sobre a Indonésia, cliquem aqui. Beijo grande e até a próxima.

confira os posts relacionados

Comente via Facebook

Comente com o WordPress

  • […] dois templos hindus estão pertinho um do outro e não tão longe de Ubud. Lembra que falei do campo de arroz Tegalallang? Pois é! Você pode conhecer essas 3 atrações no mesmo dia – e foi exatamente isso que […]

  • Laylla fevereiro 5, 2017

    Estou amando! Todos os lugares que anotei pra visitar, estão descritos aqui! Ah, e a dica do restaurante está anotada!

    • Pollyane
      Pollyane fevereiro 5, 2017

      Oi Laylla! Que bom que está gostando 🙂 Ainda falta muuuuuita coisa para postar dessa viagem, mas a gente pode dar uma acelerada para que você consiga ler tudo antes da sua, né? Você vai amar! Beijo grande e obrigada pela visita.

  • Larissa janeiro 17, 2017

    Lugar maravilhoso! Quero ir !!!

    • Pollyane
      Pollyane janeiro 19, 2017

      Oi Larissa! Obrigada pela sua visita e pelo comentário. Bali é toda fantástica, vale a pena ir mesmo. Beijo grande.