03 de novembro de 2016

Lisboa: o que fazer em 15 horas

Em julho de 2015, ao irmos de Madrid a Brasília, fizemos uma escala de 15h em Lisboa. Marido já tinha visitado a capital portuguesa, mas para mim seria a primeira vez e, claro, não poderia deixar de conhecer um pouco mais desse país que eu já amava. Apesar do pouquíssimo tempo disponível, achei que foi bem proveitoso e resolvi compartilhar algumas dicas com vocês, caso passem pela mesma situação.

1 – Menos bagagem = mais alegria

Nós deixamos as nossas bagagens grandes com a própria cia aérea. Se para você isso não for possível, procure o guarda-volumes no aeroporto (aqui neste blog você pode encontrar mais dicas sobre o aeroporto de Lisboa). Essa foi uma excelente decisão que tomamos, especialmente depois de ver a ladeira que tivemos que subir puxando as nossas malas de mão.

lisboa-calcada-do-lavra

Marido subindo a ladeira e puxando a mala de mão, a caminho do hotel, em Lisboa. Foto: arquivo pessoal

2 – Aerobus

Praticamente todos os blogs de viagem também falam sobre essa dica, mas é que de fato ela é muito valiosa! Como sabemos, corridas de aeroportos às cidades costumam ser caras, mas em Lisboa é possível pegar um ônibus super confortável e barato na porta do aeroporto e ir até o centro da cidade. O custo é de menos de 4 euros (confirmar valores atualizados no site oficial) e é uma excelente mão na roda! Se o seu hotel fica longe das paradas desse ônibus, pegue outro tipo de transporte coletivo ou táxi para terminar de chegar.

3 – Escolha do hotel

Como seria somente 1 dia, priorizamos por um hotel simples, barato e bem localizado, de onde poderíamos dar umas voltas e ver a cidade. Reservamos um quarto duplo no The Elevator Hostel e foi uma boa experiência, mas preciso fazer algumas ressalvas: a cama não era muito confortável e a ladeira para chegar ao hotel é TENSA e não é possível chegar de carro (pelo menos foi o que nos informaram). Por isso, não acho que seria uma boa ideia para pessoas com dificuldades de locomoção ou muitas bagagens.

Calçada do Lavra, Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Calçada do Lavra, Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

lisboa-ladeira-centro

Calçada do Lavra, Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Apesar disso, o hostel é bacaninha, os funcionários são gentis, estava tudo limpo e o café da manhã era gostoso. Ah, a vista era linda!

4 – Quero comer em Portugal todos os dias!

Antes dessa escala em Lisboa, já havíamos feito uma viagem para Porto e região do Douro (que virá em algum post futuro). Nessa ocasião, nos apaixonamos pela culinária portuguesa. Em Lisboa, já sabendo disso, fomos atrás de um lugar para ter uma refeição inesquecível – e tivemos!

Fomos ao Solar dos Presuntos, um restaurante bem conceituado no TripAdvisor e que ficava bem pertinho do hotel. Nas paredes do restaurante, várias fotos de artistas que visitaram o local. Inclusive, enquanto jantávamos, uma artista portuguesa – que desconheço – estava sendo entrevistada em uma mesa próxima. A opção de entradas era farta! À época ainda comia carne e me lembro que a qualidade dos embutidos era muito boa. Pedimos várias coisas e – um dos motivos pelo qual amo Portugal – o preço foi super amigável 😀

A comida? Sem palavras de tão boa! Comida portuguesa, como eu costumo dizer, é comida de vó. É comida que sustenta, que conforta e que a gente poderia comer todo dia e ainda acharia bom.

5 – Caminhando até o cais

De barriga cheia e sorriso largo no rosto, fomos caminhando até o cais, no caminho, passamos pela Praça Dom Pedro IV e descemos pela rua Augusta, passando pelo Arco com o nome da rua, a Praça do Comércio e, finalmente, o Cais das Colunas.

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

O clima estava super agradável para uma caminhada e chegamos ao Cais quando começou a escurecer. Ficamos ali por um tempo, só admirando a belíssima paisagem e observando a movimentação da cidade: bondes, pessoas, turistas.

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

6 – Outras opções pela redondeza

Não programamos entrar em nenhum museu, mas há alguns pelo caminho, além de várias igrejas e o Castelo de São Jorge, na mesma região. Se você tiver mais disposição, vale incrementar a sua escala visitando esses lugares e, ainda, incluir um show de Fado à noite.

lisboa-portugal-rua

Pelas ruas de Lisboa, Portugal. Foto: arquivo pessoal

Se você está voltando ou partindo para uma viagem longa e prefere “economizar energia”, esse passeio que fizemos foi super tranquilo e deu para sentir um pouquinho da cidade sem se cansar. Na rua Augusta, e nas outras adjacentes, há várias opções de lojas e restaurantes, onde você poderá ficar sentado, ouvindo boa música, fazendo uma maravilhosa refeição e vendo a vida passar. Ótimo, também.

7 – Hora de dizer “até breve!”

Acordamos cedo e vimos o sol nascer sob os telhados vermelhos de Lisboa. Portugal, para nós, brasileiros, tem um quê de Brasil que nos deixa saudosos. Depois do café da manhã, fomos para a Avenida da Liberdade e, sem qualquer dificuldade, pegamos um táxi e fomos para o Aeroporto. A corrida, se bem me lembro, custou algo entre 10 e 15 euros.

lisboa

Lisboa através da janela do nosso quarto. Foto: arquivo pessoal

E essas foram as 15 horas que passamos na cidade, que pretendemos voltar muitas vezes. Não focamos em fazer passeios turísticos nas nossas poucas horas pela cidade, apesar de ser possível, mas foi um dia tão gostoso que será muito bem guardado na memória.

Espero que possam aproveitar as dicas e, caso estejam de passagem pela cidade, tenham em mente que correrão um imenso risco de se apaixonarem por ela em pouquíssimas horas! <3 Beijo grande e até a próxima.

confira os posts relacionados

Comente via Facebook

Comente com o WordPress

  • […] contei dessa rua e da nossa experiência em Lisboa aqui neste post. Quando estava descendo a ladeira, vi essa pintura e gostei muito e, claro, fiz marido tirar uma […]