Querido diário,

Você me conhece de outras épocas e carnavais, certamente sabe das incontáveis “ladies” e “mixed” noites que já tive, então deve estar achando que eu bati com a cabeça e me esqueci dos meus memoráveis anos de juventude. Calma, não é isso. Vou explicar…

No Brasil, estamos acostumados a ir para boates (sim, em Goiás chamamos assim) desde que alcançamos a idade permitida para frequentar tais lugares, ou quando nossos pais permitiam, de acordo com um critério duvidoso que se baseava na vontade deles – eu nesse último caso.

Com o tempo e a idade, esse tipo de ambiente passa a ficar cada vez mais escasso na nossa agenda e, desde que coloquei uma aliança na mão esquerda e assinamos o Netflix, essas noites passaram a ser um brilho eterno de uma mente cheia de lembranças.

Até o dia que as amigas daqui de Abu Dhabi me convocaram para ir a uma “ladies night”, sem os maridos e onde? No meu prédio. Desculpa? Zero. Vontade? Zero vírgula cinco. Mas vamos lá porque se eu bem me lembro, amigo é amigo e … é ….

ladies-night-abu-dhabi-3

Nossa ladies night em Abu Dhabi – tirando a foto para mandar para os maridos: ainda estamos aqui!

Algumas coisas mudaram: a vestimenta escolhida possuia alguns metros a mais de tecido do que os mini vestidos de outrora, a maquiagem melhorou muito, precisei tirar um cochilo à tarde, senão sentiria sono à noite. Os 30 ainda nem chegaram nos documentos oficiais, mas o peso nos ombros já é demasiado – o que é isso que acontece com a minha geração?

Aqui em Abu Dhabi há dezenas de lugares que oferecem o “ladies night”. Ao contrário do que o nome pode sugerir, a noite não é exclusiva para mulheres, mas dá um bônus atrativo a essas filhas de vênus: bebidas alcóolicas gratuitas.

Pode parecer contrastante um país muçulmano com regras de comportamento e censuras permitir tais eventos, mas a verdade é que aqui quase tudo é permitido, desde que seja do jeito e no lugar certo. É bom dizer isso porque sempre me perguntam se aqui tem balada, ou o que os jovens fazem para se divertir. Na verdade, já não me considero do grupo dos jovens mais, nem mesmo frequento os mesmos lugares que eles, mas sei que aqui há boates, pubs, álcool, festas… Seguindo as regras direitinho, dá para levar uma vida praticamente ocidental-normal.

ladies-night-abu-dhabi-2

Ladies night

Os “ladies night” acontecem em estabelecimentos que têm autorização para vender álcool que, por sua vez, se localizam dentro de hotéis. Menores não são permitidos, mas não há censura em relação à roupas ou religião. O ambiente lembra muito o do Brasil, com iluminação baixa, decoração moderna e som alto. Havia um Dj tocando as “músicas das paradas de sucesso”, garçons, barman, seguranças, mulheres alcoolizadas dançando no palco, homens bebendo solitários e vários grupos diversos. O nosso era formado por 8 mulheres, todas expatriadas, todas casadas, todas com vinte e tantos a trinta e algo.

Embora o nosso grupo fosse somente de mulheres, não houve qualquer aproximação masculina, nem mesmo flertes ou olhares. Também não vi ninguém se beijando ou tendo contato físico íntimo, pois aqui no país a censura em relação a esse tipo de comportamento vale também para ambientes fechados, inclusive bares.

O maior ponto negativo, na minha opinião, era permitir que as pessoas fumassem lá dentro (já que o bar era totalmente fechado). No mais, foi uma noite suuuuper divertida com as girls de Abu Dhabi e já estamos pensando em repetir as doses 😉

E foi assim, diário, a minha primeira ladies night da vida em um país muçulmano. Para nós que moramos em uma país tão diferente do Brasil, esses momentos são essenciais para dar uma animada e sacudida na vida. Por algumas horas, conseguimos nos esquecer de tantos sacrifícios e saudades que sentimos dos queridos amigos distantes. Conversamos, rimos, bebemos e nos descontraímos. Afinal, é preciso manter eterno o brilho.

ladies-night-abu-dhabi-1

Nossa animadíssima ladies night em Abu Dhabi

E vocês, recomendam alguma balada ou ladies night aqui dos Emirados Árabes? Deixem nos comentários!

confira os posts relacionados

Comente via Facebook

Comente com o WordPress