Dando sequência ao nosso post sobre Kyoto, hoje vou mostrar os outros espaços sagrados e pontos turísticos que visitamos na cidade. No artigo anterior falei sobre os templos budistas, hoje falo sobre os santuários xintoístas, parque Maruyama e Castelo de Nijo.

fushimi-inari-portal

No santuário xintoísta Fushimi Inari Taisha, em Quioto. Foto: arquivo pessoal

Fushimi Inari Taisha 

Este santuário foi, certamente, um dos mais bonitos – se não o mais – de toda a viagem. Ele está situado aos pés de uma montanha que também se chama Inari e, apesar de ter um belo portão de entrada e várias imponentes estátuas de raposas (tidas como mensageiras dos deuses), o que mais impressiona nesse lugar são as trilhas de 4 km de extensão com MILHARES (cerca de 30 mil) de portais, ou toriis, pintados em vermelho-laranja.

Não há como descrever a magnitude desse lugar, assim como não há foto digna de sua beleza.

fushimi inari quioto

Portão de entrada de Fushimi Inari, em Kyoto. Foto: arquivo pessoal

O santuário é dedicado a Shinto, deus do arroz, e os portais foram doações de empresários/comerciantes do Japão. Atrás de cada um há o nome de quem doou e a data, em japonês. Os preços variam de acordo com o tamanho do portal, indo de 400 mil a 1 milhão de ienes. Entre os vários corredores de portais, há alguns espaços para templos, onde são realizados os cultos e oferendas da religião. Nesses pontos, podemos ver miniaturas de portais, de pessoas que não tiveram condições de comprar o grande, mas não deixaram de deixar a sua doação ao lugar sagrado.

Fushimi Inari Taisha tóquio

Toriis com a inscrição do nome do doador com a data da doação. Fushimi Inari Taisha. Foto: arquivo pessoal

Espaços para oferendas e cultos xintoístas:

Fushimi Inari Taisha. Foto: arquivo pessoal

Foto: arquivo pessoal

Fushimi Inari Taisha. Foto: arquivo pessoal

Foto: arquivo pessoal

Dica para turista: se você deseja profundamente aquela foto perfeita com os portais, sem pegar 73.542 pessoas ao fundo, vá até as trilhas mais altas, em direção ao topo da montanha. Muitos turistas não chegam até lá, já que a maioria é de idade mais avançada. Nas primeiras fileiras de portais é praticamente impossível tirar uma foto sem ninguém, ou mesmo contemplar melhor os portais. Então, a dica é: deixa de preguiça e suba o quanto conseguir 😉

Quer um exemplo? Compare essas duas fotos abaixo, sendo a primeira foi tirada logo no começo da trilha e a segunda mais ao alto:

E, assim como todo santuário xintoísta, o lugar é cercado por muito verde, lindo!

Se for para Kyoto, não deixe de conhecer esse santuário. Ouso arriscar que, se tiver que escolher apenas 1 lugar para visitar, vá até lá. O acesso é super fácil, com uma estação de trem exatamente na entrada do complexo. Fiquei curiosa para visitar o local à noite, mas vai ter que ficar para a próxima vez…

Yasaka Shrine e Maruyama Park

O santuário xintoísta Yasaka fica no famoso distrito de Gion, importante área de Kyoto, sendo, por isso, também chamado de Gion Shrine. O complexo é enorme e, além disso, o santuário está localizado em uma área com parques e outros templos budistas.

yasaka quioto

Portão de entrada para o santuário de Yasaka. Foto: arquivo pessoal

yasaka

Yasaka Shrine. Foto: arquivo pessoal

yasaka-kioto

Pessoas fazendo os seus pedidos no santuário Yasaka. Foto: arquivo pessoal

Chegamos lá no final da tarde, passamos pelo templo e fomos para o parque (Maruyama). O santuário em si não é tão extraordinário, mas o parque é bem bonito.

maruyama-parque-quioto

Belíssimo parque de Maruyama, em Kyoto. Foto: arquivo pessoal

yasaka

Parque Maruyama, em Quioto. Foto: arquivo pessoal

Marido até fez amizade com um senhor japonês e o papo rendeu bastante… Rs. Aliás, isso ainda será assunto para um próximo post, mas já adianto que ficamos muito encantados com a educação e cordialidade dos japoneses, em todas as cidades e de todas as idades.

parque-quioto

Marido e o amiguinho japonês que ele fez no parque. Foto: arquivo pessoal

Castelo de Nijo

O Castelo de Nijo foi construído em 1603, a mando do Tokugawa Ieyasu, o primeiro xogum do Período Edo (1603-1867). Depois do fim dessa era, o castelo foi usado como palácio imperial e, posteriormente, aberto à visitação. O castelo é a melhor representação de castelos do período feudal no Japão e, por isso, foi tombado como Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em 1994.

castelo-nijo-guia

Com a nossa guia voluntária no Castelo Nijo, em Quioto. Foto: arquivo pessoal

Quando chegamos ao Castelo, fomos abordados por uma simpática senhora que se ofereceu, voluntariamente, a nos guiar pelas dependências do Nijo. Ela disse que fazia parte de seu treinamento como futura guia da cidade. Aceitamos e ouvimos todas as histórias sobre o castelo e o Período Edo no Japão. Gratidão 🙂

O Castelo é belíssimo, cheio de história e muito bem conservado. Ah, durante a nossa visita, constatamos que foi mesmo fundamental a presença de um guia para nos explicar qual era a finalidade de cada cômodo e como viviam as pessoas naquela época. Por isso, mesmo que não haja voluntários na porta do Castelo, vale a pena contratar o áudio guia do local.

castelo-de-niijo

No Castelo de Nijo, em Quioto. Foto: arquivo pessoal

E esses foram os templos, santuários e sítios históricos que visitamos em Quioto. Como disse no post anterior, 3 dias não foram suficientes para ver nem metade do que gostaríamos. Ainda falarei em um artigo sobre o que vimos nas ruas da cidade, mas, se pudesse, incluiria pelo menos mais 2 dias na cidade. Fica a dica/o aviso para os próximos visitantes 🙂

Outros artigos do Japão aqui.

confira os posts relacionados

Comente via Facebook

Comente com o WordPress

  • Paula Oliveira Abud novembro 13, 2016

    O Japão deve ser incrível, pelo menos nessas fotos dá uma vontade enorme de ir até lá. Quem sabe um dia! rs.
    Amei as dicas no post e as fotos ficaram maravilhosas!!
    Beijos

  • o Japão é lindo demais meodeooos eu tenho muita vontade de conhecer! ahh e a clássica foto com os torii ficou linda!

  • Camila Lisbôa novembro 12, 2016

    Gente, que lugares MARAVILHOSOS! 🙂 E eu adorei as dicas de como ter fotos mais exclusivas 🙂

    • Pollyane
      Pollyane setembro 23, 2017

      Essa dica é ouro, Camila! haha E tem que ter fôlego pra conseguir 😀

  • Katarina Holanda novembro 12, 2016

    Que lugares lindos. Conhecer o Japão deve ser uma experiência incrível. <3

    • Pollyane
      Pollyane setembro 23, 2017

      É sim, Katarina! Quero muito voltar e ver mais coisas. Beijo grande

  • Pollyane

    Oi Flávia, obrigada pela visita e pelo comentário. Realmente, esse lugar não pode ficar de fora na sua visita ao Japão. É incrível!! Beijo grande!

  • Lorraine Faria novembro 12, 2016

    Que lugar sensacional! Deve valer muito a pena subir mais, e não só pelas fotos (o que também já é demais), mas para sentir mais a paz do lugar sem tanto movimento! Que lindeza <3

    • Pollyane

      Olá, Lorraine, muito obrigada pela visita e pelo comentário. Sem dúvida, vale o esforço de subir mais um pouco. Se tivesse tempo suficiente, teria ido até o topo! Beijo grande.

  • Keul Fortes novembro 11, 2016

    Nossa.. Que post! Amei as fotos e as dicas. Me senti como se estivesse “turistando” com vocês =) hahaha. Sucesso!!

  • Parabéns pelo post. Realmente, guias fazem muita diferença na experiência de viagem. às vezes estamos cansados, em viagens intensas e não guardamos muitas informações, mas num lugar como este deve ser bem mais zen. Visitei o Jardim Japonês de São Francisco recentemente e a guia explicou sobre o significado das pedras, plantas e árvores, além do contexto histórico-social.

    • Pollyane
      Pollyane setembro 23, 2017

      Olha, Marcia, no Japão, a recomendação que eu dou é ter um guia sempre que possível! A cultura é muito diferente da nossa e, sem guia, provavelmente vamos perder informações importantes. Beijo grande e obrigada pela visita.

  • mariiguedes outubro 26, 2016

    Como o Japão é lindo, né? Também tenho muita vontade de conhecer, mas acho que pra ir pra Ásia precisa ser pelo menos 20 dias pra passagem cara/demorada valer a pena.
    Esses portais laranja são o máximo! Já vi várias fotos e não fazia ideia do que tava escrito, interessante 🙂

    • Pollyane
      Pollyane Martins outubro 26, 2016

      Oi Mari, obrigada pela visita e pelo comentário! Sim, o Japão é mesmo maravilhoso e vale a visita prolongada. No nosso caso, só tínhamos 15 dias e vimos o básico do básico. Já quero voltar e ver mais coisas 😀 Espero que consiga ir e goste de lá tb! Beijo grande.

  • Mariana G. outubro 18, 2016

    Que santuário lindo, lindo! Quero muito conhecer o Japão…

    • Pollyane
      Pollyane Martins outubro 18, 2016

      Que bom que gostou, Mariana! É lindo mesmo, aliás, o Japão é lindo! Espero que possa conhecer em breve 🙂 Beijo grande e obrigada pela visita.

  • Natácia outubro 9, 2016

    Fiquei curiosa… O Hugo falou em inglês com o senhor? Muito lindo o local.

  • Josiane Bravo outubro 9, 2016

    Que máximo, eu sou apaixonada pelo Japão e louca para conhecer Kyoto. Sabe aquele sonho de ver uma gueisha e tomar um autêntico chá japonês rs. Se algum dia for para Kyoto quero me caracterizar vestida de gueisha, algo que está na minha bucket list.

    Abraços

    • Pollyane
      Pollyane Martins outubro 10, 2016

      Oi Josi! Obrigada pela visita! Sei bem como é esse sonho 🙂 A minha estada foi tão curta que nem tive tempo para essas duas experiências 🙁 Mais coisa para a próxima vez! Se fizer, me conta 😀 Beijo grande

      • Josiane Bravo outubro 10, 2016

        Haha, entendo, é difícil conseguir fazer tudo, mais um motivo para você voltar para lá rs. Beijos